A pesquisadora e cantora Claudia Alvarenga conversa com Gabriela Geluda sobre dramaturgia, processos criativos e colaborações artísticas, através de um passeio por sua carreira como cantora, atriz, performer, produtora e idealizadora de espetáculos músico-teatrais, com enfoque em sua parceria com a compositora Jocy de Oliveira. O encontro on-line acontece no próximo sábado 27 de novembro.

Para Lívia Sabag, curadora do projeto, este é o principal momento da série de lives no qual será abordado o ponto de vista do intérprete. Gabriela Geluda é uma grande cantora com trajetória particular na Ópera, especialmente na música-teatro contemporânea: cantora, atriz e produtora, ela participa de todas as etapas de seus projetos. Vale destacar a colaboração de muitos anos com Jocy de Oliveira, uma das maiores compositoras brasileiras. Jocy compôs 9 óperas multimídia aclamadas pela crítica e público no Brasil e exterior e é pioneira com sua ópera cinemática.

“A conversa do próximo sábado vai girar em torno dos processos criativos e colaborações entre cantor e os demais profissionais da Ópera, com destaque especial para a relação cantor/compositor no momento de criação de uma nova obra” explica Livia Sabag.

Este evento encerra um ciclo de conversas que aconteceram todos os sábados, entre 15h e 16h30 e agora estão disponíveis no site Temporada de Ópera. Trata-se da última live da série de dez, que começou em 25 de setembro:

1 – “Dramaturgia Além da Escrita. Reflexões sobre Dramaturgismo na Ópera”

Participaram do debate a pesquisadora Jelena Novak, o dramaturgista Johannes Blum e os diretores cênicos Allex Aguilera e Yuri Colossale, profissionais que atuam em instituições culturais – teatros e casas de ópera – ou como colaboradores de grupos e artistas independentes. O dramaturgismo é uma atividade comum na Europa e ainda pouco conhecida no Brasil.  Esta conversa tem como objetivo refletir a respeito dos diversos modos de atuação dos dramaturgistas no campo da ópera e as contribuições que esta prática pode proporcionar no contexto brasileiro.

2 – “Conversa com Geraldo Carneiro”

O jornalista musical João Luiz Sampaio (editor executivo da Revista Concerto, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e organizador da coletânea “Ópera à Brasileira”) conduziu a conversa com Geraldo Carneiro sobre dramaturgia musical, através de um percurso por sua carreira, sua experiência como libretista, suas parcerias antológicas com músicos populares de diversas gerações e seu trabalho como orientador no Ateliê de Criação.

3 – “Escrever o nosso tempo: relatos e pensamentos sobre a criação de libretos”

O organista, compositor, maestro e diretor de ópera belga Bernard Foccroulle foi entrevistado pelo maestro Gabriel Rhein-Schirato e pela encenadora de ópera Livia Sabag. Eles abordaram desafios do campo da dramaturgia e suas interseções com outras áreas, como composição, encenação, programação artística e democratização do acesso à arte.

4 – “Entrevista com João Guilherme Ripper” 

O compositor e libretista de ópera João Guilherme Ripper foi entrevistado por Nelson Rubens Kunze, diretor da Revista Concerto. A conversa abordou a trajetória de Ripper como compositor e libretista de óperas, destrinchando os processos de criação das obras e as colaborações com artistas parceiros como cantores, encenadores e maestros.

5 – “Jornada de Trabalho no Ateliê de Criação”

Participaram do debate o escritor, tradutor e membro da Academia Brasileira de Letras, Geraldo Carneiro, o escritor, bacharel em Direção Teatral com mestrado em Estudos da Linguagem, Julliano Mendes, Antonio Ribeiro, compositor, professor e coordenador da Emesp Tom Jobim, e as participantes da Academia de Ópera 2021 Thais Montanari e Bruna Tameirão. O debate teve mediação dos curadores Livia Sabag e Gabriel Rhein-Schirato.

6 – “Jornada de Trabalho no Ateliê de Criação”

Participaram do debate abordando as dinâmicas de trabalho dentro do ateliê e a colaboração entre os compositores convidados e os libretistas, o escritor, tradutor e membro da Academia Brasileira de Letras, Geraldo Carneiro, o escritor, bacharel em Direção Teatral com mestrado em Estudos da Linguagem, Julliano Mendes, Antonio Ribeiro, compositor, professor e coordenador da Emesp Tom Jobim, e as participantes da Academia de Ópera 2021 Thais Montanari e Bruna Tameirão.

7 – “Novos tempos, novas práticas: programação, gestão de equipes e processos colaborativos nas instituições culturais”

Este encontro virtual reuniu alguns dos mais importantes gestores e diretores artísticos de instituições culturais brasileiras que desenvolvem projetos artísticos e pedagógicos relevantes e inovadores no campo da ópera no Brasil: Luciana Salles, Jena Vieira, Ricardo Appezzato e Paulo Zuben.  Dentre os assuntos abordados, o diálogo entre o teatro de ópera e a sociedade, acessibilidade e representatividade de diferentes setores da sociedade, programação do repertório tradicional, criação de novas obras e processos colaborativos entre equipes.

8 – “Dramaturgia Musical: reflexões sobre criações músico-teatrais no século XXI”

Participaram da conversa a dramaturgista alemã Angela Beuerle, o cenógrafo argentino Nicolás Boni e o compositor brasileiro Marcelo Amalfi, profissionais relevantes do universo da ópera que trazem experiências práticas e conhecimentos teóricos acerca da dramaturgia musical. Os convidados conversaram sobre as diferentes formas de dramaturgia, modelos e processos de criação de espetáculos músico-teatrais, realização de obras na língua natal do público, abordagens do repertório histórico e problemáticas contemporâneas do campo da ópera no Brasil e em outros países do mundo.

9 – “Teatro e Música Fora da Caixa”

O musicólogo e filósofo português João Pedro Cachopo conduziu uma conversa com o diretor teatral brasileiro Antônio Araújo e com o compositor também português Luís Soldado sobre criação e apresentação de espetáculos músico-teatrais em lugares não-convencionais, óperas comunitárias e democratização do acesso à arte.

Para Eliane Parreiras, presidente da Fundação Clóvis Salgado, a Temporada de Ópera 2021 tem impactos e diálogos com todo o Brasil com o objetivo de difundir a ópera como linguagem acessível a todos. “A edição desse ano é resultado da edição passada em que fizemos reflexões profundas sobre o fazer operístico. Estamos colhendo os impactos causados pelas discussões transversais entre as linguagens, a presença das mulheres em espaços de decisão, bem como o encontro de linguagens em uma mesma obra. Estamos vivendo um momento muito rico, em uma ação inédita no Brasil, que é provocar novos saberes e fazeres no campo operístico. O resultado final do Ateliê de Criação, será o momento de coroação de todo esse esforço que vai unir artistas de campos distintos em uma unidade narrativa que será um espetáculo que será encenado”, revela.

Participantes da live:

Claudia Alvarenga – É formada em Composição Musical e Licenciatura pela UNIRIO, com interesse pelo uso não tradicional da voz e pelo canto coral. Dirige o Coral da ASA (RJ) desde 1995. É professora do Programa de Pós-Graduação em Educação PPGE/UNESA.

Gabriela Geluda – É cantora/atriz, pesquisadora da unidade corpo/voz, e exerce intensa atividade como performer especializada em repertório contemporâneo. Trabalha continuamente com a compositora Jocy de Oliveira, como soprano solo de suas óperas há 26 anos.

Livia Sabag – Encenadora de ópera e curadora de projetos de música e teatro. Suas produções vêm sendo aclamadas pelo público e pela crítica especializada. Em 2020 assinou a curadoria da 8ª edição do Festival de Música Erudita do Espírito Santo.

Os eventos abertos ao público da Academia de Ópera 2021 integram a Temporada de Ópera on-line 2021 da Fundação Clóvis Salgado e são realizados pelo Governo de Minas Gerais / Secretaria de Estado de Cultura e Turismo, pela Fundação Clóvis Salgado, e correalizados pela Appa – Artes e Cultura. Têm como apresentadora do Programa a  Unimed-BH / Instituto Unimed-BH¹, e como patrocinadores a Cemig e a AngloGold Ashanti, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

¹ O patrocínio da Unimed-BH / Instituto Unimed-BH é viabilizado pelo incentivo de mais de cinco mil médicos cooperados e colaboradores

A Fundação Clóvis Salgado é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e de cultura em transversalidade com o turismo. Trabalhando em rede, as atividades dos equipamentos parceiros ao Circuito buscam desenvolvimento humano, cultural, turístico, social e econômico, com foco na economia criativa como mecanismo de geração de emprego e renda, além da democratização e ampliação do acesso da população às atividades propostas.

Academia de Ópera 2021 – Parte integrante da Temporada de Ópera 2021, a Academia de Ópera está em curso durante o segundo semestre deste ano com o “Ateliê de Criação: Dramaturgia e Processos Criativos”. Com curadoria do maestro Gabriel Rhein-Schirato e da encenadora de ópera Lívia Sabag, essa atividade consiste em uma formação gratuita e inédita sobre dramaturgia voltada para ópera, composta por aulas, debates, entrevistas e a montagem de um espetáculo inédito, baseado em obra de um importante escritor mineiro.

Todas essas atividades celebram os 50 anos do Palácio das Artes e um dos  objetivos da Academia de Ópera é promover especialização dramatúrgica sobre a ópera a partir de uma série de atividades práticas e teóricas que abordam as relações entre texto e música, a escrita de libretos, os processos criativos de espetáculos músico-teatrais, a dramaturgia musical em língua portuguesa, as releituras cênicas de títulos do repertório tradicional, o dramaturgismo e a crítica musical. Constam também na programação da Temporada de Ópera 2021 a apresentação, no final do ano, de uma encenação resultante do Ateliê de Criação: Dramaturgia e Processos Criativos, inspirado em obra de um renomado escritor mineiro.

TEMPORADA DE ÓPERA ON-LINE – Em 2020, a tradição dos encontros com a arte operística na FCS tomou diferente forma, inaugurando um novo modo de fazer, difundir e refletir sobre a ópera no Brasil e na América Latina. Com abrangência nacional e internacional, a programação, prioritariamente digital, impactou diretamente 110 mil pessoas por meio de palestras, aulas, mostra de cinema, exposição de artes gráficas e apresentação artística. O projeto disponibilizou 60 atividades gratuitas para o público, com participação de 218 dos principais nomes do Brasil e de alguns profissionais de destaque internacional, resultando em 178 horas de programação. As oficinas e os cursos da Academia de Ópera ofertaram 637 vagas. O Recital da soprano ELIANE COELHO e do pianista GUSTAVO CARVALHO, no Grande Teatro Cemig Palácio das Artes, com transmissão pela internet, encerrou a Temporada de Ópera On-line 2020. Devido à originalidade e ao ineditismo do projeto, a Temporada de Ópera On-line 2020 concorreu ao prêmio CONCERTO, na categoria “Reinvenção na Pandemia”, promovido pela conceituada Revista Concerto.

INSTITUTO UNIMED-BH – Associação sem fins lucrativos, o Instituto Unimed-BH, desde 2003, desenvolve projetos socioculturais e ambientais visando a formação da cidadania, estimular o bem-estar e a qualidade de vida das pessoas, ampliar o acesso à cultura, valorizar espaços públicos e o meio ambiente. Ao longo de sua história, o Instituto destinou cerca de R$140 milhões por meio das Leis municipal e federal de Incentivo à Cultura, viabilizado pelo patrocínio de mais de 5,2 mil médicos cooperados e colaboradores. No último ano, mais de 7 mil postos de trabalho foram gerados e 3,9 milhões de pessoas foram alcançadas por meio de projetos em cinco linhas de atuação: Comunidade, Voluntariado, Meio Ambiente, Adoção de Espaços Públicos e Cultura, que estão alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030. Neste ano, todas as iniciativas do Instituto celebram os 50 anos da Unimed-BH. Clique aqui e conheça mais sobre os resultados do Instituto Unimed-BH. Parceiro da Fundação Clóvis Salgado desde 2000, contribui para a manutenção dos corpos artísticos (Cia. de Dança do Palácio das Artes, Coral Lírico e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais) por meio do patrocínio à Temporada de Óperas.

FUNDAÇÃO CLÓVIS SALGADO – Com a missão de fomentar a criação, formação, produção e difusão da arte e da cultura no Estado, a Fundação Clóvis Salgado (FCS) é vinculada à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult). Artes visuais, cinema, dança, música erudita e popular, ópera e teatro, constituem o campo onde se desenvolvem as inúmeras atividades oferecidas aos visitantes do Palácio das Artes, CâmeraSete – Casa da Fotografia de Minas Gerais – e Serraria Souza Pinto, espaços geridos pela FCS.  A Instituição é responsável também pela gestão dos corpos artísticos – Cia. de Dança Palácio das Artes, Coral Lírico de Minas Gerais e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais –, do Cine Humberto Mauro, das Galerias de Artes e do Centro de Formação Artística e Tecnológica (Cefart). Em 2020, quando celebrou 50 anos, a FCS ampliou sua atuação em plataformas virtuais, disponibilizando sua programação para público amplo e variado. O conjunto dessas atividades fortalece seu caráter público, sendo um espaço de todos e para todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *